Inseminação Intrauterina

Através dessa técnica é possível otimizar as chances de gestação de casais que se enquadram dentro de algumas particularidades, como por exemplo: homens que apresentam sêmen com alterações leves, mulheres com tubas uterinas normais, casais com diagnóstico de infertilidade sem causa aparente (aqueles em que nenhum exame detectou o motivo da dificuldade de engravidar), entre outros.

Este processo é composto por duas etapas: indução da ovulação, seguida pela inseminação intra-uterina.

A indução da ovulação consiste na administração de medicamentos que promoverão o recrutamento e desenvolvimento de um ou mais óvulos na mulher. Após a realização de ultrassonografias seriadas, identifica-se o momento adequado para se deflagrar a ovulação. Nesse momento se administra medicação específica que faz a mulher ovular entre 34 e 38 horas após sua aplicação.

A inseminação intra-uterina se inicia com o preparo do sêmen em laboratório para melhoria de sua qualidade. Próximo ao período em que ocorre a ovulação na mulher, o sêmen é introduzido através de um cateter específico dentro da cavidade uterina. É um procedimento simples que leva cerca de 5 minutos. Dessa forma, aumenta-se a probabilidade de fertilização do óvulo pelo espermatozóide, o que leva a um aumento de chance de gravidez.